Coorlece - Cooperativa de Otorrinolaringologia do Estado do Ceará

Nossa História

Foi em 14 de abril de 1999 que o projeto se tornou real por meio de uma Assembléia Constitutiva. Na época, eram 37 sócios fundadores que, acreditando no potencial da COORLECE, deram os primeiros passos da categoria junto com a Scorlep (Sociedade Cearense de Otorrinolaringologia e Endoscopia Per-Oral).

A primeira diretoria foi composta pelo Dr. João Deodato Diógenes na presidência, Dr. Roberto Augusto Freitas Alencar na Diretoria Financeira e Dr. José Gerardo Pimentel na Diretoria Administrativa.

Na primeira fase, as ações voltaram-se para adquirir convênios com os planos de saúde. Como geralmente ocorre durante as grandes mudanças, houve bastante resistência inicialmente. Mas convictos de que o cooperativismo era a melhor saída para melhorar as relações de trabalho dentro do mercado da saúde suplementar e prestar atendimento de qualidade à população, os primeiros associados tiveram a coragem e persistência necessárias para consolidar o sonho.

Com a cooperativa montada e com convênios, vinha a fase de consolidação em que, além de continuar na luta para conquistar o reconhecimento de outros planos de saúde, era preciso crescer e adaptar-se à demanda. Assim, a COORLECE, fortalecida pela organização do grupo, entrou como intermediária em diversas negociações por melhores condições de trabalho. Através do diálogo constante com nossos contratantes, as relações entre cooperativa, médicos, operadoras de plano de saúde e usuários melhoraram substancialmente.

Com forte atuação, o sentimento é de que há viabilidade para a otorrinolaringologia tão sonhada. Os anseios da COORLECE traduzem-se no atendimento de alta eficiência e interação saudável com os parceiros.  Sem dúvidas a maior vitória alcançada em todo este tempo foi o exemplo de união, ética, idealismo e solidariedade que, com certeza, nunca será apagado da história da Medicina do Ceará.

>>Fundadores

  • ALESSANDRA CALAND NORONHA
  • ANA CRISTINA N AMORIM
  • ANDRÉ ALENCAR ARARIPE NUNES
  • ANTÔNIO ISRAEL PINHEIRO
  • ANTÔNIO SOARES MORORÓ
  • ARNOLDO MACEDO NOGUEIRA
  • BERLINDES BERNALDO Q MAIA
  • CLICIANA BRASIL DE MATOS SILVA
  • CRISANTO GOMES DOS SANTOS
  • ERIK FROTA HAGUETTE
  • EDUARDO BEZERRA ROCHA
  • FERNANDO SIQUEIRA PRAÇA
  • FRANCISCO ALVES GALVÃO JR
  • FRANCISCO ITAMAR FONTENELE
  • GLAUCO SOARES DE ALMEIDA
  • ILUSKA SALES RISPARDO MARANHÃO
  • IVALDO MIRANDA FEITOSA
  • JOÃO DEODATO DIÓGENES DE CARVALHO
  • JOSÉ GERADO PIMENTEL NETO
  • LUCIANA BASTOS AGRA
  • LUCIANO DE AZEVEDO BOTELHO
  • LUIZ DANTAS FILHO
  • MARCELO CAVALCANTE MARINHO DE ARAÚJO
  • MARCOS RABELO FREITAS
  • MARIA CARLOS PEREIRA AGUIAR
  • MARIA EUDÓCIA DE PINHO ALVES TEIXEIRA
  • NELMA MARIA PEREIRA ARAÚJO
  • NELSON DE OLIVEIRA QUEZADO
  • RAIMUNDO ERNANI DE CASTRO SILVA JR
  • ROBERTO AUGUSTO FREITAS ALENCAR
  • RÔMULO TOMÓTEO DA SILVA
  • SILVANA MARIA COELHO PIMENTEL
  • STHAEL BORGES LIRA
  • SYNARA FRANKLIN DE CASTRO
  • VIVIANE CARVALHO DA SILVA
  • WASHINGTON LUÍS DE FRANÇA
  • ZULMIRA CLÁUDIA CUNHA FROTA

Notícias

Sinais de deficiência auditiva em crianças. Quando procurar um otorrino?

 A avaliação da audição deve começar no bebê recém-nascido. Desde 2010, o teste da orelhinha é obrigatório nas maternidades, tanto públicas quanto privadas. O exame é um teste objetivo, isto é, não necessita da resposta da criança, e detecta a grande maioria dos casos de perda auditiv

O que fazer quando entra água no ouvido?

Água no ouvido é bastante comum e pode acontecer durante a prática de esportes aquáticos ou até mesmo no banho. Contudo, com a chegada do verão, a incidência aumenta bastante, quando a ida a piscinas e praias se torna mais comum.  O principal sintoma quando entra água no ouvido é a sensa

Cuidados necessários para quem tem rinite alérgica

 De acordo com a WAO (Organização Mundial da Alergia), 30% a 40% da população mundial tem rinite alérgica, que é uma das manifestações mais frequentes da alergia. A rinite alérgica constitui-se numa reação alérgica da mucosa nasal a determinados antígenos, principalmente inalatórios.
20 Anos Coorlece