Coorlece - Cooperativa de Otorrinolaringologia do Estado do Ceará

Notícias

Respire pelo nariz e viva melhor

Pode parecer simples de imaginar, afinal fazemos isso involuntariamente desde que nascemos. Mas o padrão respiratório nasal envolve um longo processo em que o ar passa pelo o nariz, onde é aquecido, umidificado e tem algumas partículas bloqueadas, seguindo para os pulmões, com menos ameaças para o organismo. Problemas relacionados ao desvio no padrão respiratório nasal têm sido comuns, já que quando o ar entra no organismo pela boca, uma série de problemas podem surgir. Como o ar não é aquecido, ele passa com várias impurezas que podem gerar doenças, especialmente na garganta e pulmões. Com isso, os cuidados com a saúde respiratória são essenciais para a qualidade de vida. Vale a pena estar atento às dificuldades de respiração e consultar um otorrinolaringologista.

Na respiração pela boca, que pode ser resultante de vários fatores, algumas complicações são facilmente detectadas como: ressecamento dos lábios, tártaros, por conta da baixa atividade da saliva nos dentes, sensação constante de sede, além da produção do ronco (barulho resultante da vibração do ar na via aérea parcialmente fechada), ou ainda da apnéia (cessação da respiração por mais de 10 segundos). Preste atenção se está respirando corretamente.

Uma das possíveis causas para a respiração pela boca, principalmente na infância, pode ser a hipertrofia de adenóides, tecido linfóide (semelhante as nossas amígdalas) que crescem atrás do nariz causando sua obstrução. A criança com essa doença muitas vezes pode ter que ser submetida à cirurgia. Se o tratamento adequado não for realizado, deformidades na face podem ocorrer. Os dentes projetados para frente, boca sempre aberta, baba noturna, ronco, sinusites, coriza, dores de ouvido e bruxismo (ranger de dentes), são sinais que levam a suspeita e devem ser mostrados ao médico otorrino. Já nos adultos, as causas mais importantes de obstrução nasal são a rinite alérgica e o desvio do septo nasal.

O tratamento da obstrução nasal depende do paciente. Nos casos de desvio do septo nasal, hipertrofia da adenóide e nas malformações nasais, a cirurgia pode ser necessária. O grande avanço atual é a cirurgia nasossinusal por videoendoscopia, que permite menor tempo cirúrgico e de internação, o que reduz as complicações, como o sangramento. O médico opera o paciente com o auxílio de fibras ópticas conectadas a uma micro câmera. Sem cortes externos, o nariz é operado por dentro das narinas, sem deixar qualquer cicatriz aparente. Outro grande avanço desta técnica é a possibilidade do paciente não precisar usar os tampões nasais, que muito incômodo causam a quem se submete à cirurgia do nariz. Nos casos mais complexos, onde as doenças sinusais podem estar afetando áreas nobres como o encéfalo ou os olhos, o cirurgião pode ainda contar com o sistema de Neuronavegação, onde uma imagem na tela do computador mostra ao médico a área onde ele deve atuar. Se você respira pela boca, não perca tempo, procure um otorrino e viva melhor, respirando pelo o nariz.

 

DANIEL CAVALCANTE PINHEIRO

CRM: 6864

Otorrinolaringologista

Residência Médica na FMRP da USP

Notícias

Quais os principais tratamentos da labirintite?

Uma coisa que muita gente não sabe é que a labirintite pode desaparecer sozinha. Em algumas semanas, ela some por completo. Contudo, quando necessário, o tratamento visa principalmente a redução dos sintomas. Se a causa for infecção bacteriana, o médico lhe receitará um antibiótico e os si

O que é labirintite?

A labirintite é um termo comumente usado para designar uma afecção que pode comprometer tanto o equilíbrio quanto a audição. A condição afeta o labirinto, estrutura da orelha interna constituída pela cóclea (responsável pela audição) e o vestíbulo (responsável pelo equilíbrio). O uso

Sinusite em crianças

  Caracterizada como a infecção causada por bactérias na região dos seios paranasais, ou seja, cavidades revestidas por mucosas localizadas dentro do crânio, próximos ao nariz. Pode aparecer em vários pontos da face da criança: na testa (frontal), nas maçãs do rosto (maxilar), entre os o
20 Anos Coorlece